DOUT - Controle social, família e relações de gênero

Código: PHIS-130
Curso: Doutorado em História
Créditos: 6
Carga horária: 120
Ementa: A disciplina tem por finalidade discutir, sob uma perspectiva histórica, alguns princípios básicos de análise do comportamento social, suas características, mecanismos de reprodução e de controle, com ênfase na descrição e compreensão das relações cotidianas entre os indivíduos. No caso, sugere-se que o enfoque recaia sobre a família, pelo fato de ser esta o agrupamento sociopolítico primário ao qual o ser humano pertence já desde o nascimento. Sendo uma realidade transhistórica, que perpassa os tempos e assume formas e objetivos distintos de acordo com cada época, a família é a instituição com a qual os indivíduos estabelecem contatos bastante íntimos, razão pela qual ela não apenas constitui um importante núcleo de afeto e de solidariedade, mas é igualmente palco de violência e conflito, dando margem a múltiplas experiências de controle e de coação social e psíquica, o que equivale a considerar a família um lócus privilegiado para o exercício dos micropoderes, como certa vez proposto por Michel Foucault.

Desse ponto de vista, importa identificar a maneira pela qual as relações de poder entre os membros da família se exprimem nos termos das relações de gênero, em conexão com as práticas culturais coletivas e o sistema político então vigente. Recomenda-se também que seja explorada a maneira pela qual, ao longo do tempo, a instituição familiar passou por transformações sucessivas, pretendendo-se que o aluno tenha condições de reconhecer a historicidade da família e o papel por ela desempenhado num determinado momento histórico. Em seguida, propõem-se que sejam analisados os usos e costumes, os códigos e regras de direito e as expectativas e padrões histórico-culturais que tem por finalidade normalizar os comportamentos dentro da instituição familiar. Em termos teórico-metodológicos, sugerimos que a disciplina contemple não apenas contribuições advindas da área de História, mas, também, a produção interdisciplinar sobre o assunto, uma vez que o tema, por ser comum a diversas áreas, resulta de intercessões entre a História, a Antropologia, a Sociologia e a Psicologia.

Bibliografia: ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da Colônia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.
ALMEIDA, Maria Suely K. Colcha de retalhos: estudos sobre a família no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.
ANDERSON, Michael. Elementos para a História da família ocidental. 1500-1914. Lisboa: Querco, 1984.
ARIÈS, Philippe; DUBY, Georges. História Social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
___. História da Vida Privada. São Paulo: Companhia das Letras. 1992. v. 4 e 5.
BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.
BELOTTI, Elena G. Educar para a submissão. Petrópolis: Vozes, 1985
BERGER, Peter. Perspectivas sociológicas: visão humanista. Petrópolis: Vozes, 1976.
BOXER, C.R. A mulher na expansão ultramarina ibérica. 1415-1815. Alguns Factos, Idéias e Personalidades. Lisboa: Livros Horizonte, 1977.
BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Mulher, casa e família: cotidiano nas camadas médias paulistanas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1990.
CÂNDIDO, Antônio. The Brazilian Family. In: Brazil, Portrait of Half a Continent. New York: Dryden Press, 1951.
CAPARRÓS, Nicolas. La relacion familia/individuo. In: Crisis de la Família. Madrid: Fundamentos, 1977.
CARVALHO, Maria do Carmo B. (Org.) A família contemporânea em debate. São Paulo: Edusc, 1995.
CASTORIADIS, Cornélius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
CERRONI, Umberto. A crise da família e o futuro das relações entre os sexos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1971.
CHARTIER, Roger. História cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil/Lisboa: DIFEL, 1990.
COOPER, David. A morte da família. São Paulo: Martins Fontes, 1980.
COSTA, Albertina de Oliveira & BRUSCHINI, Cristina. (Org.) Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.
COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
D'AVILA NETO, Maria Inácia. O autoritarismo e a mulher: o jogo da dominação macho-fêmea no Brasil. Rio de Janeiro: Achiamé, 1980.
DEL PRIORE, Mary. A mulher na História do Brasil. São Paulo: Contexto, 1992.
___. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.
D’INCAO, Maria Angela. (Org.) Amor e família no Brasil. São Paulo: Contexto, 1989.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo: o século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.
ENGELS, Friedrich. As origens da família, da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.
FIGUEIRA, Sérvulo A. Uma nova família? O moderno e o arcaico na família de classe média brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.
FLORESTA, Nísia. Direitos das mulheres e injustiça dos homens. São Paulo: Cortez, 1989.
___. Opúsculo humanitário. São Paulo: Cortez; Brasília: INEP, 1989.
FRANCO, Sebastião Pimentel. NADER, Maria Beatriz e SILVA, Gilvan Ventura da Silva (Org). História, mulher e poder. Vitória: Edufes, 2007.
FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.
GERVENY, Geneide Maria O. A família como modelo: desconstruindo a patologia. Campinas: Psy II, 1994.
GOODE, Willian J. Revolução mundial e padrões de família. São Paulo: Nacional: EDUSP, 1969.
___. A família. São Paulo: Pioneira, 1970.
HAHNER, June. A mulher no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
HAREVEN, Tamara K. The history of the family as an interdisciplinary field. In. RABB, Theodore. (Ed.) The family in history. New York: Harper Torchbooks, 1973.
___. Tempo de família e tempo histórico. In. História: questões e debates. Curitiba, n. 5, v. 8, p. 3-26, 1984.
KALOUSTIAN, Sílvio Manoug. (Org.) Família brasileira: a base de tudo. São Paulo: Cortez, 1994.
KUSNESOF, Elizabeth Anne. A família na sociedade brasileira: parentesco, clientelismo e estrutura social (São Paulo, 1700-1980). Revista Brasileira de História, v.9 n. 17, p. 37-63, 1989.
LASLETT, Peter. Família e domicílio como grupo de trabalho e grupo de parentesco: comparações entre áreas da Europa Ocidental. In: MARCÍLIO, Maria Luiza (Org). População e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1984. p. 137-170.
LEWKOWICZ, Ida. As mulheres mineiras e o casamento: estratégias individuais e familiares nos séculos XVIII e XIX. História, n. 12, p. 13-27, 1993.
LUZ, Madel T. (Org.) O lugar de mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual. Rio de Janeiro: Graal, 1982.
MANOEL, Ivan Aparecido. Igreja e educação feminina: os Colégios das Irmãs São José de Chambery (1859-1919). São Paulo: FFLCH/USP, 1988.
MEDINA, C. A. Família e mudança: o feminismo numa sociedade arcaica em transformação. Petrópolis: Vozes, 1974.
NADER, Maria Beatriz. Paradoxos do progresso: a dialética da relação mulher, casamento e trabalho. Vitória: EDUFES, 2008.
___. Mulher: do destino biológico ao destino social. Vitória: EDUFES, 2001.
PEDRO, Joana Maria. Mulheres honestas e mulheres faladas: uma questão de classe. Florianópolis: Ed. UFSC/SC, 1998.
PERROT, Michelle. As mulheres e os silêncios da História. São Paulo: EDUSC, 2005.
PERROT, Michelle. Práticas da Memória Feminina. Revista Brasileira de História, v. 9, n. 18, p. 09-18, 1989.
PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. Igualdade e especificidade. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Org.). História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2003, p. 265-309.
PRADO, Danda. O Que é família. São Paulo: Brasiliense, 1981.
QUINTANEIRO, Tânia. Retratos de mulher: o cotidiano feminino no Brasil sob o olhar de viageiros do século XIX. Petrópolis: Vozes, 1996.
REIS, José Roberto Tozoni. Família, emoções e ideologia. In: LANE, Sílvia T. M.; CODO, Wanderley. (Org.) Psicologia Social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.
RIBEIRO, Ivete (Org.) Sociedade brasileira contemporânea: famílias e valores. São Paulo: Loyola, 1987.
SAFIOTTI, Heleieth I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1979.
SAMARA, Eni de Mesquita. Família, divórcio e partilha de bens em São Paulo no Século XIX. Estudos Econômicos, n. 13, p.787-797, 1983.
___. A família brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1986.
___. Tendências atuais da História da Família no Brasil. In: ALMEIDA, Angela Mendes (Org). Pensando a família no Brasil. Rio de Janeiro, Espaço e Tempo, 1987.
SCOTT, Joan. O enigma da igualdade. Estudos Feministas. v. 13, n.1, p.11, 2005.
SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e ordem urbana, 1890-1920. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.
SOUBBOTNIK, Olga Maria M.C.S; SOUBBOTNIK, Michael A. (Org). Enlaces: psicanálise e conexões. Vitória: GM Editora, 2008.
STEVENS, Cristina (Org). Maternidade e feminismo: diálogos interdisciplinares. Ilha de Santa Catarina: Edunisa, 2007.
WOORTMANN, Klass. A família das mulheres. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910