Defesa de dissertação de mestrado de Taynna Mendonça Marino

Título: Empatia em tempos de pós-humanismo: um estudo sobre alteridade e compreensão histórica a partir da obra Androides sonham com ovelhas elétricas? (1968)
Data de defesa: 01/06/2020
Horário: 14h
Local: sala de reunião virtual

Banca Examinadora:  Julio Cesar Bentivoglio (Presidente/Orientador – UFES)
Augusto Bruno de Carvalho Dias Leite (Examinador Interno - UFES)
Beatriz de Moraes Vieira (Examinador Externo - UERJ)
Marcelo de Mello Rangel (Examinador Externo - UFOP)
Josemar Machado de Oliveira (Membro Suplente - UFES)
Marcelo Durão Rodrigues da Cunha (Membro Suplente - IFES)

Para assistir a defesa online, basta acessar o link: https://youtu.be/IuLVv4Aat0k

Resumo: Essa dissertação de mestrado é um esforço de historicizar o conceito de empatia cunhado no início do século XX e que se popularizou no debate público desde o pós-guerra. Meu intuito é recuperar a polissemia de sua história recheada de traduções e retraduções em diferentes momentos, linguagens e contextos disciplinares, para assim reabilitá-lo nos debates acadêmico e científico. No primeiro capítulo, destaco as ideias e discussões mobilizadas pela Hermenêutica, pela Filosofia Moral, pela Estética e pelas áreas relacionadas à Psicologia em torno da temática da empatia, de modo a enfatizar a interdisciplinaridade do conceito, suas confluências e divergências e significados sobrepostos ao longo do tempo. No segundo capítulo, à guisa de exemplo da popularidade angariada pelo conceito, analiso a ideia de empatia mobilizada pela obra de literatura distópica Androides sonham com ovelhas elétricas? (1968) de Philip K. Dick em um cenário futurista, pós-apocalíptico e pós-humano. No terceiro e último capítulo, parto para uma reflexão da empatia direcionada à compreensão do outro, à alteridade e à intersubjetividade, revelando sua importância (pós-)humanista. Na esteira das recentes abordagens da Teoria e da Filosofia da História, chamo atenção para as tendências do giro ético-político e do pós-humanismo, entendendo a empatia como um esforço cognitivo-intelectual, afetivo, ético-político e existencial de abrir-se para compreender o outro sem que para isso seja preciso eliminar ou subsumir a diferença. Ao fim e ao cabo, defendo a empatia como um dispositivo teórico para a compreensão cognitivo-intelectual e afetiva do outro que, ao reconhecer os diferentes lugares de fala e interagir com o mundo do outro a partir de uma postura ético-político-existencial, é capaz de deslocar e redimensionar o sujeito em seu próprio mundo.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910